“De maneira especial nos dedicaremos à Palavra de Deus”[1]

Mais uma vez; mais um ano! Por graça de Deus, nos dias 20 e 21 deste mês de setembro tivemos a Jornada Bíblica em nosso Seminário brasileiro. É formoso e gratificante ao mesmo tempo constatar como “o nosso”[2]  goza de uma eficácia particular. Dizemos isso porque em nossas Constituições, nº 16 lê-se: «De maneira especial, dedicaremo-nos a (pregação da) Palavra de Deus mais cortante que espada de dois gumes (Hb 4,12) em todas as suas formas. No estudo e nos ensinamentos da Sagrada Escritura (a Teologia, os Santos Padres, a Liturgia, a Catequese, o Ecumenismo, etc.)».

Nesta III Jornada Bíblica tratamos sobre o Evangelho de São João, de maneira particular os capítulos de 5 a 10. Nestes capítulos a base comum ou contexto são as festas principais dos judeus (Festa da Páscoa, das Tendas, Pentecostes, Dedicação do Templo e poderíamos incluir a observância do sábado). Por esse motivo foi uma boa ocasião para nos introduzir no Antigo Testamento e tratar sobre o Calendário Litúrgico da Antiga Aliança. De todo o modo, não foram os únicos temas estudados, já que era inevitável deixar de lado o Prólogo do Santo Evangelista onde contêm as tremendas palavras: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós…”  (Jo 1,14); tampouco faltaram temas arqueológicos como uma exposição sobre «Os manuscritos do mar Morto», conhecidos como Qumran, em relação à historicidade e surgimento dos Santos Evangelhos e outras exposições como por exemplo, sobre o Santo Sepulcro, que foi aberto e restaurado (em concreto a edicula) entre março de 2016 e março de 2017; também não faltaram alguns temas de Teologia Bíblica como “A Hora de Jesus” no quarto Evangelho.

La imagen puede contener: una o varias personas

Sempre buscando emular à casa mãe preparamos o melhor que pudemos a exposição dos códices, papiros, edições críticas em hebreu, grego e latim do texto sagrado, como diversas versões em várias línguas, onde merece uma menção especial a tradução ao Tok Psin dos Santos Evangelhos preparada por nossos missionários que se encontram no continente azul. Também preparou-se uma pequena exposição de mapas bíblicos e maquetes sobre o calendário litúrgico judeu.

Enquanto aos expositores contamos com a participação de sete professores de nosso Seminário (entre os quais está nosso Provincial, Pe. Emílio Rossi, IVE e nossos monges, os Pe. Alejandro Cunietti, IVE e Pe. Esteban Olivares, IVE), nove seminaristas de Teologia e uma Irmã SSVM, cabe destacar que é a primeira vez que uma servidora participa das Jornadas Bíblicas no Brasil. Não podemos deixar passar o apoio brindado por nossos padres biblistas[3]  que nos orientaram indicando-nos bibliografia para estudo e nos enviando artigos de autoria própria como foi o caso do Pe. Dr. Carlos Pereira, IVE, que nos iluminou muitíssimo porque são excelente exemplo de diálogo entre os exegetas modernos e Santo Tomás, Magister In Sacra Pagina, a quem procuramos seguir nesses dias de estudo.

Em relação a Santo Tomas de Aquino exegeta, também merece uma menção especial porque pode-se dizer que foi um dos grandes frutos destas Jornadas conhecê-lo e seguí-lo como nos pede explicitamente nosso direito próprio: “Tenha-se como modelo e fonte do estudo da Sagrada Escritura a Santo Tomás exegeta, que foi aquele que mais penetrou o sentido das Escrituras”[4]. Deste modo pudemos mostrar a nossos religiosos de modo concreto como podemos seguir ao Aquinate na interpretação da Palavra de Deus. Não quiséramos cansá-los, mas é uma grande alegria poder contar-lhes que nossos seminaristas puderam beber da fonte mesma, quer dizer, leram o comentário (Super Evangelium S. Ioannis lectura) do Angélico em sua língua original (o latim).

Este foi um dos frutos que queremos agradecer a Deus por um lado, e por outro partilhar nossa alegria de constatar uma vez mais a eficácia “do nosso”, neste caso as Jornadas Bíblicas.

Finalmente, enviamos-lhe  um pequeno vídeo que reflete o que foram estas Jornadas Biblicas que, sobretudo, mostram o lugar, valor e força que tem as Sagradas Escrituras para nossa querida família religiosa[5].

Art. O lugar da Sagrada Escritura em nosso direito próprio.Elas podem te dar a sabedoria que conduz à salvação”. 2Tim 3,15

Padres do Seminário Maior São José da Anchieta, São Paulo – Brasil

Província “Nossa Senhora Aparecida”

http://biblia.verboencarnado.net/2017/08/23/lugar-la-sagrada-escritura-derecho-propio/

http://vidareligiosa.org/vidareligiosa/index.php/categorias/vida-religiosa-y-biblia/item/37-el-lugar-de-la-sagrada-escritura-en-nuestro-derecho-propio

[1] Constituições, 16.

[2] Expressão usada inúmeras vezes por nosso Superior Geral, o Pe. Gustavo Nieto, IVE. Somente até a Carta circular nº 23 usa a expressão 22 vezes. (Cf. Na Carta Circular nº 12, 2 vezes; na Carta Circular nº 13, 4 vezes; na Carta Circular nº 14, 6 vezes; na Carta Circular nº 15, 2 vezes; na Carta Circular nº 17, 2 vezes; na Carta Circular nº 18, 2 vezes; na Carta Circular nº 19, uma vez; na Carta Circular nº 22, uma vez; na Carta Circular nº 23, 2 vezes). Quanto ao Apostolado entendo que “o nosso” é a missão canônica que nos encomendou a Igreja.

[3] Em concreto queremos agradecer aos Padres Gonzálo Ruíz, Ricardo Clarey, Miguel Á. Fuentes, José Marcone e Gabriel Barros.

[4] Diretório de Seminários Maiores, 331.

[5] Diretório de Espiritualidade, 239: «A Sagrada Escritura deve ser a alma de nossa alma, de nossa espiritualidade, teología, pregação, catequese e pastoral».

4 Comentarios

  1. I would like to thank you for the efforts you’ve put in writing this site.
    I am hoping the same high-grade blog post from you in the upcoming as well.
    Actually your creative writing abilities has inspired me to get my own web site now.
    Actually the blogging is spreading its wings fast.

    Your write up is a great example of it.

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here